Prisma para efeitos artísticos em suas fotos

prisma.jpg

Hoje instalei a nova app Prisma, que vem com 21 efeitos artísticos, deixa as fotos com efeitos bem legais, como se fosse um quadro do Picasso, a foto acima é um exemplo, eu, como Dr. Trakina e meus amigos Paçoquinha e Suspiro, tirei esta foto 21h da noite com a camera frontal do meu celular, ou seja, uma merda, mas com um toque artístico do Prisma praticamente recuperei a foto!! Loko.

Pontos positivos:
– Efeitos bem legais e bem distintos do Instagram;
– Tem share nas redes;
– Pode salvar a foto;
– De graça;

Pontos a melhorar:
– Fica o logo do Prisma no canto da foto, que é compreensível, eu pagaria para tirar o logo;
– Lento para processar pela primeira vez cada efeito na foto escolhida;

Acho que esta app vai pegar e ainda terão muitos updates legais. Já adotei como complemento de filtro para o meu insta! Busca ai na sua store por prisma e baixe porque vale a pena.

Rodrigo MatheusPrisma para efeitos artísticos em suas fotos

Bitbucket Pipelines

A Atlassian, empresa dona do BitBucket, criou uma ferramente de integração continua integrada com o Bitbucket.

Outra Ferramenta?

Para quem já conhece o portfólio de produtos da empresa, sabe que  ela tem o Bamboo, uma ferramenta de integração continua, que você pode pagar uma para instalar no seu servidor ou pagar uma mensalidade para usar como serviço.

Qual a diferença entre o Bamboo e o Bitbucket?

Bamboo você compra o sistema e integra ele com seu repositório git ou svn, configura os ambientes(dev, hom, prod) e seja feliz na integração continua. Você pode pagar a licença e instalar no seu servidor ou então pagar mensalmente o serviço.

O Bitbucket é um repositório git freemium, se você tem uma empresa com N funcionários e projetos, pague um troco e use, se não, sai na faixa. o Bitbucket é o concorrente principal do Github. O Pipeline é uma ferramenta dentro do Bitbucket, integradão aobitbucket. Mais simples de usar e também freemium.

Quero testar

https://bitbucket.org/product/features/pipelines

Rodrigo MatheusBitbucket Pipelines

Samsung Galaxy e sua evolução até o S7

Samsung-Galaxy-S-Series-Infographic.jpg

O Samsung Galaxy S esta na sua sétima edição, sempre em seus modelos teve um hardware de peso e um Android bem carregado também, além do preço, nos últimos modelos a Samsung não esta vendendo como antes, acredito que parte disso é o preço que esta cada vez maior e a Motorola com um preço melhor, um hardware bom e Android quase puro. Partindo deste ponto vamos fazer uma análise do Galaxy S5 a diante sobre o que a Samsung esta fazendo para voltar a ganhar mercado.

Para contextualizar ontem passei em um quiosque da Samsung para ver o Samsung Gear S2 Smartwatch, mas papeando, fazendo a típica guerrinha de Android e iPhone, contei para eles que eu comprei o Galaxy S5 quando lançou e que fiquei com grandes traumas, que era até difícil eu conversar sobre isto, que estas lembranças me deixa nervoso. Ai contei para eles a minha história triste e vou resumir aqui para vocês e sem palavrões:

  1. O Galaxy S5 vem recheado de coisas da Samsung, é como uma pulga, um carrapato, tem app da Samsung que você consegue apagar e mas tem muitas coisas da Samsung enraizadas no Android que não tem como tirar, a não ser que você instale uma versão de Android não oficial;
  2. Widgets horríveis da Samsung, feios e lentos;
  3. Interface feia, para quem é chato como eu: poluído, para quem não é: gracinha, colorido, animado, cheio de surpresinhas, mas lento;
  4. Não encontrei versões não oficiais do Android para o Galaxy S5;
  5. Vinha com o Android 4.4 Kitkat, já tinha uma atualização do Android no mercado, a Motorola já tinha disponibilizado para seus aparelhos com Kitkat, outras fabricantes tinha dado data, mas a Samsung não fez nenhum posicionamento de atualização para o Galaxy S5 no Brasil;
  6. De fato era a prova de água, só não me avisaram que eu ficaria praticamente o resto do dia sem conseguir carregar a bateria do celular, tinha que esperar secar a entrada do cabo usb;
  7. A bateria acabava muito rápido, perto do almoço, e o carregamento era muito lento;
  8. Por ter bateria removível eu tinha medo de sei la, estar na piscina, praia, e o celular cair e sair a bateria dentro da água, o que não pode porque entra água onde não deve;
  9. Muito legal a Play Store ter milhares de apps, muito mais que a Apple, só perde a graça quando fica em destaque na PlayStore uma app de fotos de mulheres semi-nuas, calma, até ai tudo bem, o problema era quando eu baixava e o anti vírus encontrava vírus na app que o Google me indicou na Play Store;
  10. Muitas app para qualquer coisa que eu buscava, mas as boas app se limitavam aos primeiros resultados, ou seja, a Play Store tem número, mas pecam na exigência de qualidade para inserir uma app na Play Store;
  11. O Galaxy S5 tem biometria, o que é legal, mas se funcionasse ficaria mais interessante;
  12. Tinha um plastico barato na borda, era um plastico prateado e tinha até rebarba de tão caprichado;
  13. Não consigo lembrar destes problemas e dar risada, ainda estou fazendo terapia para superar o Trauma;

E ai paguei 3 mil reais no iPhone 6, coisa que até ontem se eu tivesse que pegar um Galaxy S de graça e pagar de novo meu iphone, eu pagaria de novo, com certeza.

Mas… Dois ou três anos se passaram e ontem me mostraram o Galaxy S7. E fiquei surpreso e mesmo vendo, não acreditei que algo tão mal feito poderia melhorar tanto, vou passar aqui as percepções que tive na hora e que coisas que confirmei pesquisando na internet depois:

  • S7 esta com um acabamento impecável, quando peguei o celular tive aquela sensação de ser rígido e resistente, e de fato é isto mesmo, pesquisando depois o S7 tem o IP não sei quanto que garante maior resistência a quedas, água e poeira e a bateria é interna, não corre risco de cair e espalhar ship, capinha traseiro, bateria e o resto do celular, e nem de cair na água e abrir dentro da água;
  • A tela inicial dele é limpa, tem algumas apps e a busca do Google(com “ok Google“);
  • Aquele monte de pulgas e carrapatos saíram, tem uma pasta de apps chamada Samsung, deve ter ali uma média de 10 apps da Samsung e boa parte você consegue remover, além disso não tem mais um monte de coisas da Samsung enraizadas no Android, o que dá um ganho de performance considerável;
  • Aquela interface colorida, cheia de Widgets e lenta, morreu, amém, não tem nada disso e nem firulas, tem o importante e de maneira muito simpática, Adeus Carnaval da Samsung;
  • Com este monte de coisa mais refinada não preciso mais procurar versões não oficiais de Android e me arriscar em perder o aparelho com boot errado;
  • A Samsung anunciou que a bateria do S7 dura 2 dias, mas na prática fica 1 dia e meio, que já é muito melhor que o meio dia que eu tinha com o S5;
  • O problema que eu tinha para carregar o celular depois que molhava só entendi agora que se trata de “um dispositivo que identifica quando a entrada USB esta molhada” e só volta a carregar quando seca. Para mim, isto quer dizer que não tão a prova da água assim, pois se molha e a bateria acabar, eu vou ficar sem celular por algumas boas horas;
  • A câmera e a tela juntas é muito legal, eu até sai bonito na foto e sem filtro de instagram;
  • A Play Store é um problema que só o Google vai resolver. Por favor Google, mais controle de qualidade com as apps;
  • Mudaram a biometria, antes tinha deslizar o dedo e quase sempre não funcionava, agora você encosta o dedo como no iPhone e já era, boa;

Deu pra perceber que a Samsung mudou a estratégia radicalmente, antes parecia que ter hardware era argumente de venda, e os ilimitados Widgets encrustados agradava determinado público alvo, é a minha impressão.

Pesquisando na internet descobri que de fato a Samsung fez um novo projeto para o o Galaxy S6 e o S7 é continuidade dele. O resultado é perceptível, não sei se o Galaxy S7 melhorou a ponto de ser top quando falamos de simplicidade. Mas confesso que gostei e vou continuar de olho nele.

Para os que tem traumas como eu, acho que vale uma reconciliação para saber o que mudou.

Fica para vocês um review do TecMundo para ver um pouco o S7:

Rodrigo MatheusSamsung Galaxy e sua evolução até o S7

Eleições americanas com criptografia

Ultimamente estamos acompanhando as eleições americanas, que no começo estava até engraçado as provocações do Donald Trump, veja alguns momentos no video acima, mas as provocações estão causando preocupações nas pessoas e empresas, não quero discutir política aqui, pois sou a pior pessoa para isto, vou focar no que interessa:

O Donald Trump acredita que as informações de sistemas tem que ser acessíveis ao governo para a segurança americana.

Pronto, falei.

O que quer dizer isto?

Se as informações de sistemas precisam ser acessíveis, ou seja, Whatsapp, Facebook, Linkedin, Google, Apple e algumas outras centenas de sites terão que disponibilizar as informações dos usuários caso o governo americano solicite.

E o Quico?

O Quico e o mundo, todo nós,  vamos perder a privacidade digital, a polêmica da NSA (http://www.tecmundo.com.br/privacidade/40816-prism-entenda-toda-a-polemica-sobre-como-os-eua-controlam-voce.htm) vai se tornar oficial. Ou seja, o governo americano quando quiser, vai saber quem é seus amigos, o que você gosta, seus familiares, seu endereço, telefone, sua localização em tempo real, suas ligações, o que você escreve, batimento cardíaco, hora que dorme, pesquisa na internet e tudo mais que você faz seja no computador ou no celular, vale lembrar que tem informações nossa que nós nem imaginamos que as empresas capturam ou geram a partir de modelo de dados.

E o que as empresas americanas acham disso?

As empresas americanas tem interesse em manter a privacidade do usuário, pois quanto mais privacidade, mais confiável você, usuário, se sente seguro de colocar seus dados naquela empresa, imagine se suas conversas do Whatsapp vazam? Ou pior, imagine todo o banco de dados da Paypal ser hackeado e vazar cópias na internet? Por isso estas empresas investem em segurança da informações de maneira que o serviço continue legal de se usar e ao mesmo tempo seguro, muito seguro.

É por isso que uma das camadas de segurança da informação é a criptografia, que da uma garantia que, por exemplo, em uma conversa no Whatsapp, só você e a pessoa com quem você conversa consegue criptografar e descriptografar as conversas. Quem criptografa e descriptografa é a app instalada no seu celular, para nós usuários é tudo muito transparente, não vemos a mágica que acontece por trás da tela. Ou seja, com esta técnica de criptografia, no seu celular tem uma chave, um código que é usado para criptografar e descriptografar suas conversas, e no celular do seu amigo que você troca confidencias também tem esta chave, ou seja, nem o próprio Whatsapp sabe sobre o que se trata a conversa de vocês, no banco de dados dela só tem um monte de caracteres “aleatórios” que precisa da chave que esta no seu celular para descriptografar, é quase impossível fazer esta engenharia reversa, é um código de chave dentro de trilhões de possibilidades de outros códigos de chave, ganhar na Megasena é mais fácil.

O que muda se o Trump ganhar?

Ele pode conseguir fazer virar lei o acesso a estas informações, e ai as empresas terão que mudar seus sistemas para uma criptografia mais fraca, ai estas chaves de criptografia não ficaram mais somente com você, as empresas também terão estas chaves armazenadas, seguindo o exemplo acima do Whatsapp, uma vez com as empresas estas chaves de criptografia, o governo poderá acessar suas informações quando quiser. De maneira prática as empresas podem até disponibilizar um sistema para o governo consultar o que quiser a hora que quiser. Hoje não tem lei que obrigue a entregar estas informações para o governo e mesmo que entregar, parte delas são criptografadas e as próprias empresas não conseguem descriptografar.

Mas porque o Trump quer isto?

Segundo Trump, é para a segurança dos Estados Unidos: para maior controle de estrangeiros, evitar atentado terroristas, ter mais fontes de investigação para crimes dentro e fora do pais e etc. O que na minha opinião se tivesse como garantir que seria somente para isto, ok, até deixaria acessar minhas coisas para uma investigação de um crime e coisas assim.

Mas… No escândalo da NSA, o dados era acessados indevidamente, eles capturavam as transmissões dos dados e armazenavam em um datacenter que custou alguns bilhões. Até ai ok,  mas o ponto é que além de, por exemplo, ter informações de todos os brasileiros, eles também capturavam informações do nosso governo, das nossas empresas, e com isso faziam relatórios para obter vantagens econômicas. Me parece um pouco desleal isto, pois o foco não estava sendo somente em salvar vidas e sim em fazer eu pagar mais imposto ainda, rs. Olha, acho que a NSA podia nos ajudar passando algumas informações da Lava a Jato. Mas me parece que esta crise que estamos vivendo em parte é bom para os Estados Unidos

Resumão

É por isso que na minha opinião seria melhor para o mundo que o Trump não ganhasse, e, é por isso que a HP e a Apple já se posicionaram na imprensa que não apoiam a candidatura do Trump, espero que mais empresas façam o mesmo para o bem do próprio negócio delas e para o nosso bem.

Rodrigo MatheusEleições americanas com criptografia

Americanas – não mostra preço

americanas.jpg

Ontem estava pesquisando itens na cor amarelo para a minha casa, comecei a pesquisar luminárias amarelas, baixei várias apps de compras, compras na china, Mercado Livre, Buscapé, Mobly e Americanas. São excelentes apps, encontrei muita coisas na maioria delas e não comprei nada, para o meu bolso tudo esta muito cara, que pena 🙁

Quando eu estava na app da americanas aconteceu uma situação esquisita, estava pesquisando por “luminária amarela” e em um dos itens que listou achei esquisito pedir para tocar para ver o preço, eu toquei somente para ver o que acontecia e na sequencia carregou a uma tela dizendo que já vendeu tudo. Confira na imagem acima, é verdade!!

Do ponto de vista usuário

Talvez eu tivesse interesse naquele produto, a app criou uma expectativa quando disse para eu tocar ali para eu ver o preço e quando exibiu a mensagem que já tinha acabado a minha expectativa foi para o ralo. Ai vem um pouco do sentimento de enganação e que daquele momento para frente a desconfiança aumenta um pouco, tenho que ficar mais atento com estoque, prazo de entrega, preço… Pois parece que se para ver o preço é assim, tenho que ter cuidado na compra.

Do ponto de vista crítico

Parece que o resultado da busca que fiz é cache e quando toco para ver o produto ai sim consulta a base de dados e o sistema descobre que não tem mais o produto, compreensível, mas ruim, e se for isto, tem concerto: #elasticsearch, #cloud, #bigdata.

Ou… Pode ser também que já sabiam que tinha acabado o produto, mas colocaram o toque aqui para ver o preço para ter uma média de quantas pessoas teriam interesse naquele produto para pedir uma quantidade mais precisa para o fornecedor.

Sugestão

Se é um problema técnico ou se foi uma maneira de contabilizar interessados no produto, acho importante trabalhar com a verdade, não que mentirão intencionalmente, mas de certa forma pode dar a entender isto. Quando trabalhamos com a verdade é muito legal, pois nós consumidores somos carentes da verdade, diversas vezes passamos por situações no comercio presencial que sabemos que estão mentindo para nós e muitas vezes todos nós só pensamos algo em comum: “não volto mais aqui“. Isto para o negócio é ruim.

Se é um problema técnico, como cache de resultados VS detalhe do produto, poderiam dizer na página de detalhe de do produto: “Desculpa!! Neste momento estamos sem este produto no estoque, mas se quiser podemos te avisar quando chegar mais” e na sequencia o botão “Me avise quando chegar“. Observe a elegância, a verdade e solução de contorno para o usuário não ficar frustrado com o pipino.

Para agradar ainda mais poderia colocar depois deste botão alguns produtos similares com uma chamada como “Produtos similares” e/ou “Quem comprou este produto comprou também“.

Se você quiser acrescentar algo comente aqui. E deixo a dica não só para a Americanas mas também para os outras empresas e ecommerces.

Rodrigo MatheusAmericanas – não mostra preço

Como você constrói a interface para seus clientes?

13177910_1726309944305791_9094623309693921143_n.png

Muitas pessoas já sabem como a Apple e o Google trabalham seus produtos, mas muitas vezes não entendemos o porque, mas gostamos de usar e sempre achamos fácil. Aproveitando estes cases de sucesso e o que estamos acostumados a fazer, quero começar por este post a mostrar como podemos melhorar muito nossos resultados com menos. Sim, menos é mais e bla bla bla, mas na prática, não costumamos fazer isto, na prática, é difícil tornar algo simples com menos coisas, parece fácil, parece óbvio, mas temos muita dificuldade de executar o Menos é Mais.

Quando precisamos construir uma tela, interface, site, blog, sistema, protótipo, landing page, e-mail, sei lá, qualquer coisa na internet, sempre precisamos trabalhar na arquitetura das informações na tela, na verdade alguns, principalmente programadores, apenas “tacam” as coisas na tela e “já era”, as vezes fazemos de qualquer jeito para depois arrumar e nunca chega este “depois” e quase sempre temos pelo menos o mínimo de preocupação com a arquitetura dos elementos na tela e temos o hábito resolver alguns problemas recorrentes de interface de uma maneira que as vezes parece a ideal, mas ela só foi a mais fácil de usar. Abaixo listei alguns exemplos:

  • Vamos usar uma descrição do serviço para explicar o que é;
  • Precisamos escrever de maneira formal, mais séria;
  • A página de erro de sistema(501) com links para outras páginas do sistema que esta com problema;
  • Podemos usar ícone ou escrever, vamos usar os dois para não ficar dúvidas;
  • Vamos exibir um produto como destaque ou vários, um do lado do outro;
  • Colocamos o link home no topo e no rodapé?
  • Vamos deixar o link para a home no logo e também deixar por escrito outro link home;
  • Precisamos deixar em destaque vários banners, colocamos um do lado do outro ou usamos carrossel;
  • Vamos deixar a busca no topo em todas as páginas;
  • Tem muita barra de rolagem, vamos usar accordion(efeito sanfona) para diminuir a barra de rolagem;
  • Vamos fazer uma “One Page” para este novo produto;
  • Já temos o menu padrão: O que é, Como Funciona, Benefícios, Preço, Fale Conosco;
  • Precisamos de um título para cada informação, exemplo: Login, Home, Bem Vindo João da Silva, Sobre;
  • Quando o usuário clica em logout ele precisa ir para uma página com uma mensagem confirmando que ele realmente saiu;
  • Banner em gif animado vende mais;
  • O design esta pobre, esta faltando coisa;
  • Links e botões descrevendo a ação que o usuário deve fazer, por exemplo: “Clique aqui para comprar”;
  • Vamos usar a fonte “Open Sans Light” para Títulos, “Open Sans Normal” para o menu e “Open Sans Bold” para botões;
  • Vamos fazer tudo responsivo, a gente faz as telas para desktop e para o outros devices a gente coloca tudo um em baixo do outro;

Quero deixar aqui para vocês a provocação, é isto que podemos fazer? Como você trata estas situações? Faz igual? Diferente? Como? Deixe seu comentário, seus cases, histórias e nos próximos posts vamos abordar o porque estamos acostumados a sempre tomar as mesmas decisões de arquitetura e o que poderíamos fazer de diferente e ao mesmo tempo melhorar o resultado.

Rodrigo MatheusComo você constrói a interface para seus clientes?

Martin Lebranc

A interface de usuário é como uma piada. Se você tem que explicar, ela não é tão boa.
Rodrigo MatheusA interface de usuário é como uma piada. Se você tem que explicar, ela não é tão boa.

Ludwig Mies van der Rohe

Deus esta nos detalhes.
Rodrigo MatheusDeus esta nos detalhes.

Mark Zuckerberg

O maior risco é não correr nenhum risco. Em um mundo que está mudando rapidamente, a única estratégia que certamente vai falhar é não correr riscos.
Rodrigo MatheusO maior risco é não correr nenhum risco. Em um mundo que está mudando rapidamente, a única estratégia que certamente vai falhar é não correr riscos.

Ludwig Mies van der Rohe

Menos é mais.
Rodrigo MatheusMenos é mais.